Quinta-feira
21 de Setembro de 2017 - 

Newsletter

Cadastre seu e-mail para receber informações jurídicas

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
32ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Sexta-feira - Rio de Janeir...

Máx
33ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Sábado - Rio de Janeiro, R...

Máx
33ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Juiz eleitoral do Rio condena e PF prende Garotinho por compra de votos

O ex-governador do Estado do Rio Anthony Garotinho (1999-2002) foi preso na manhã desta quarta-feira (13) por determinação do juiz da 100ª Zona Eleitoral, Ralph Manhães, que o considerou culpado da acusação de compra de votos em Campos dos Goytacazes, reduto político da família Garotinho, na eleição de 2016. Policiais federais prenderam o ex-governador, ex-deputado estadual e federal, ex-prefeito de Campos e ex-secretário estadual de Segurança Pública em um intervalo do programa matinal diário que ele comanda na Rádio Tupi, no Rio de Janeiro. O juiz determinou que a pena seja cumprida em regime domiciliar, por se tratar de condenação em primeira instância. Garotinho, com tornozeleira eletrônica, será confinado na casa da família, em Campos dos Goytacazes. Não deverá ter acesso a telefone celular e só poderá falar com advogados e parentes, entre eles a deputada federal Clarissa Matheus (PRB-RJ), sua filha. De acordo com a sentença, Garotinho, então na condição de secretário de Governo da Prefeitura de Campos, distribuiu R$ 11 milhões a 17.500 eleitores em julho e agosto do ano passado, a pretexto de inscrevê-las em um programa de distribuição de renda a pessoas carentes, o Cheque Cidadão. Mulher de Garotinho, a ex-governador Rosinha era a prefeita do município. O objetivo do grupo político comandado por Garotinho era garantir a eleição do candidato da situação à sucessão de Rosinha, Dr. Chicão, que veio a ser derrotado. Para o Ministério Público Eleitoral e a Polícia Federal, o ex-governador idealizou e controlava o esquema. Batizada de Chequinho, a operação já resultara, em 16 de novembro do ano passado, em uma primeira prisão do ex-governador, acusado de tentar obstruir as investigações. Nessa ocasião, a AMAERJ emitiu nota de apoio ao juiz Glaucenir de Oliveira, que determinara a prisão. A entidade promoveu ainda um ato de desagravo ao magistrado. Em agosto deste ano, o presidente do TSE, Gilmar Mendes, negou o pedido de Garotinho de suspensão do trâmite da ação que o responsabilizava por crime eleitoral. Por redes sociais e a imprensa, o ex-governador atacou os juízes Ralph Manhães e Glaucenir de Oliveira, também da 100ª Zona Eleitoral, acusando-os de perseguição e cerceamento de defesa. Em nota oficial, a AMAERJ contestou as declarações ofensivas de Garotinho. De acordo com a entidade, em nenhum momento a Justiça Eleitoral em Campos dos Goytacazes “decidiu fora dos autos, reduziu o prazo de defesa ou restringiu o direito de defesa de Anthony Garotinho”.

Contate-nos

Av. Nossa Senhora de Copacabana  500  sala 710
-  Copacabana
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 22020-001
+55 (21) 31490015+55 (21) 984435981
Visitas no site:  744
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.